segunda-feira, 22 de maio de 2017

As mil faces de Marcela: Breaking Bad: A melhor série de todos os tempos!

As mil faces de Marcela: Breaking Bad: A melhor série de todos os tempos!:               Sempre ouvia as pessoas falando dessa série, uma vez até assisti dois episódios e abandonei, até que um dia, do nada, decidi...

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Grandes Vilões das Telas: Nazaré Tedesco

              Claro que temos muita maldade nas telas ao sul do Equador. E para começar com uma vilã tupiniquim, nada melhor que ela, que no fim acabou sendo mais amada do que odiada: Nazaré Tedesco.
              Maria de Nazaré Esteves Tedesco, mais conhecida pelos íntimos como "Naza", foi a vilã da novela Senhora do Destino, de Aguinaldo Silva, brilhantemente interpretada por Renata Sorrah. A novela foi originalmente exibida nos anos de 2004/2005, e atualmente é exibida sua reprise no Vale a Pena Ver de Novo, da TV Globo.
             Na novela, ela se passa por enfermeira e sequestra a bebê de Maria do Carmo (Suzana Vieira), para fazer com que seu amante (vivido por Tarcísio Meira) acredite que ela teve uma filha com ele, e ele deve abandonar a esposa para ficar com ela.
             Muitos anos se passaram, até que o então marido descobre a história, e ela não tem dúvidas: joga ele da escada! Foram muitas de suas maldades até o final feliz da novela. Mas ela era tão louca, tão engraçada, que valia a pena esperar por suas cenas.
             Até hoje, ela reina nas redes sociais, com comunidades dedicadas ao personagem e muitos vídeos de seus momentos no youtube. Foram muitos os bordões que ela criou ao longo da novela, como "anta nordestina", referindo-se a sua rival Maria do Carmo; "songa monga", como ela chamava a enteada; "gata felpuda", referindo-se a ela mesma em um dos vários momentos em que ela conversa consigo no espelho, onde também se autodenomina "pegadeira", diz que "é impressionante como o tempo só te favorece" ou "eu sou a Naza e posso te levar a lua".
            Suas vítimas foram jogadas de escada, atacadas com tesoura, e teve até um ventilador jogado na banheira de um motel (uma coisa bem abelha rainha, matando após o acasalamento! rsrs). Por fim sequestrou a filha de Isabel (a menina que raptou e que agora usa seu verdadeiro nome: Lindalva) e num ato de "o amor fala mais alto", devolveu a criança à mãe e se jogou do alto da ponte com seu vestido vermelho, totalmente diva!!
             Devo admitir que ela é minha vilã favorita da teledramaturgia brasileira. nenhuma personagem conseguiu misturar maldade, humor e loucura como ela. O sucesso da personagem é tão grande, que segundo consta ela "ressuscitará" na próxima novela de Aguinaldo Silva. Aguardar para ver....Naza, o Brasil te espera!!!

terça-feira, 2 de maio de 2017

Boy Magia da Semana: Danny Pino

             Seja como o mocinho ou como o vilão, seu charme latino não passa despercebido. Não tem um grande currículo no cinema, mas já passou (e encantou) por várias séries de TV. Já passou dos 40, mas deixa muito menino na casa dos 20 no chinelo. O Boy Magia da vez é Danny Pino.
             Danny G. Pino nasceu em 15/04/1974, em Miami, na Flórida. Possui ascendência cubana. É ator e escritor. Em 2003 passou a integrar o elenco da série Cold Case, onde interpretava o detetive Scotty Valens. Permaneceu no elenco da série até seu final em 2009.
              Ainda em 2003, fez uma participação na série The Shield, como o bandido Armadillo (um homem desprezível, mas um arraso de cueca!!!). Em 2006 apareceu como seu personagem Scotty mas na série CSI: New York. 
              Em 2008 integrou o elenco do filme Vidas Que Se Cruzam, no papel de Santiago. O filme traz Charlize Theron e Kim Basinger no elenco. Em 2009 vive Terry no longa Correndo Contra o Tempo, onde um homem amargurado por descobrir estar sendo traído pela noiva (Brittany Murphy) e busca vingança. Em 2010 faz uma participação no seriado Burn Notice.
              Em 2011 passa a integrar o elenco fixo do sucesso de longa data Law and Order: SVU, como o detetive Nick Amaro (pode me prender querido!). Ficou na série até 2014. Em 2014 ainda como Amaro participou de um episódio de Chigaco P.D.
              Em 2016 passou a fazer parte do elenco da série Brain Dead, como Luke Healy. A série contava a história de uma invasão de formigas alienígenas, que mexia com a política da Casa Branca, causando o caos (meio sinistro né). A série foi cancelada na primeira temporada.
             Mas estamos torcendo para que este moreno caliente volte logo às telas. Um colírio para os olhos, com certeza!! Hasta la vista baby!! Até o próximo Boy Magia. Kisses!!

sábado, 22 de abril de 2017

Dica de Fime: Cake: Uma Razão Para Viver

                                             Ficha Técnica:
Título Original: Cake
Ano: 2014
Direção: Daniel Barnz
Gênero: Drama
Elenco: Jennifer Aniston, Sam Worthington, Anna Kendrick, Adriana Barraza, Chris Messina
 
                 Jennifer Aniston é uma mulher linda, simpática, a rainha das comédias românticas, certo? Sim, até chegar neste papel, onde vemos uma excelente atriz, que com uma ótima equipe de maquiadores conseguiram deixá-la feia!!
              O diretor Daniel Barnz soube tratar sobre a depressão de um modo real e instigante. Claire Bennett (Jennifer Aniston) é uma mulher visivelmente depressiva, cheia de cicatrizes, com dores crônicas, que começa o filme em um grupo de apoio, onde várias mulheres desabafam sobre o suicídio de Nina (Anna Kendrick), e Claire está com muita raiva! Mas de onde vem essa raiva? E essas dores e cicatrizes? O desenrolar da história prende o telespectador.
             Ela desenvolve uma espécie de relação simbiótica com Roy (Sam Worthington), o viúvo de Nina. Os flashes em que Claire tem visõescom uma Nina sarcástica e maldosa são excelentes! A relação entre ela e sua empregada-conselheira-mãe Silvana (Adriana Barraza) é outro ponto alto do filme.
               Mas ela não é a típica personagem depressiva, ela não quer que ninguém sinta pena dela, ela é cruel por várias vezes, e seu sarcasmo e humor negro arrancam risadas, apesar de ser um drama. O filme não chega a ser um estilo totalmente independente, mas é diferente dos filmes hollywoodianos sobre a doença. É sempre bom ver um lado diferente de um artista pelo menos. E este filme é dela. Apesar de eu ser suspeita para falar, pois sou fã, mandou muito bem Jennifer!!!




Talento em Foco: Robert De Niro

             Ele é com certeza uma das lendas de Hollywood. Um ator de talento incontestável, versátil e que agrega muito valor a qualquer produção cinematográfica. Já tem mais de cinquenta anos de carreira, e um currículo invejável. Claro que como todos os atores participou de alguns filmes não tão brilhantes, mas com certeza ele merece um destaque pelo conjunto de sua obra. E que obra!
             Robert Anthony De Niro Jr, nasceu em 17/08/1943, em Nova York. Fez pequenos trabalhos, até se destacar em 1973 no filme A Última Batalha de Um Jogador. Em 1972 conheceu o diretor com o qual estabeleceu uma grande parceria de trabalho e amizade, e que rendeu grandes sucessos aos dois: Martin Scorsese. Seu primeiro Oscar no entanto veio com outro grande diretor, Francis Ford Copolla, em 1974, como ator coadjuvante em O Poderoso Chefão Parte II, na versão jovem de Vito Corleone.
              Capaz de grandes transformações para dar vida aos seus personagens, para viver o que lhe rendeu o Oscar de Melhor Ator, o boxeador Jake LaMotta, ele engordou cerca de 30 quilos! Uma performance de tirar o chapéu, um boxeador narcisista e bipolar, no sucesso Touro Indomável de Scorsese, que acabou se tornando um clássico.
               Entre seus papéis marcantes podemos destacar também o de Travis Bickle, em Taxi Driver, um solitário veterano da Guerra do Vietnã, que trabalha a noite como taxista, e mostra uma Nova York nada glamourosa, outro clássico. Se arriscou até no musical New York, New York.
               Em 1978, atua no sucesso do diretor Michael Cimino O Franco Atirador, como Michael, um operário que se alista para a Guerra do Vietnã, é capturado com outros soldados, onde sofre torturas inimagináveis.
               Seus vilões fizeram sucesso. Fez vários papéis de mafiosos, interpretando até a grande lenda Al Capone em Os Intocáveis. Também conseguiu botar medo como o psicopata Max Cady, em O Cabo do Medo, onde um ex presidiário vai atrás de seu advogado e família em busca de vingança. E foi até o próprio diabo em Coração Satânico.
               Se destacou também no drama Tempo de Despertar. ao lado do saudoso Robin Williams. Na década de 1990 interpretou caras durões e problemáticos, e inovou em várias comédias. Encarou o desafio como diretor duas vezes: em Desafio no Bronx, em 1993 e O Bom Pastor, em 2006. Fundou sua produtora, a Tribeca Filmes, em 1989. Outro papel que adoro é do comandante Billy Sunday em Homens de Honra, ao lado de Cuba Gooding Jr. Em 2012, inicia outra parceria de sucesso, com o diretor David Russel, com os quais fez O Lado Bom da Vida, Trapaça e Joy- O Nome do Sucesso.
               Ele é um ator tão versátil , talentoso e com um currículo tão extenso que daria para fazer umas 10 postagens sobre ele! Para quem nunca assistiu um filme seu ( o que acho bem improvável) não sabe o que está perdendo!
               Segue sua filmografia:
  • Quem Anda Cantando Nossas Mulheres? (1968)
  • Os 5 de Chicago (1970)
  • Quase, Quase Uma Máfia (1971)
  • Caminhos Perigosos (1973)
  • A Última Batalha de Um Jogador (1973)
  • O Poderoso Chefão Parte II (1974)
  • Taxi Driver (1976)
  • O Último Magnata (1976)
  • 1900 (1976)
  • New York, New York (1977)
  • O Franco Atirador (1978)
  • A Cobrança (1979)
  • Touro Indomável (1980)
  • O Rei da Comédia (1983)
  • Era Uma Vez na América (1984)
  • Amor à Primeira Vista (1984)
  • Brazil, o filme (1985)
  • A Missão (1986)
  • Os Intocáveis (1987)
  • Coração Satânico (1987)
  • Fuga à Meia Noite (1988)
  • Stanley e Iris (1989)
  • Não Somos Anjos (1989)
  • Jacknife (1989)
  • Tempo de Despertar (1990)
  • Os Bons Companheiros (1990)
  • Cortina de Fogo (1991)
  • Cabo do Medo (1991)
  • A Amante (1991)
  • Uma Mulher Para Dois (1992)
  • O Despertar de Um Homem (1993)
  • Desafio no Bronx (1993)
  • Frankeinstein de Mary Shelley (1994)
  • As Cento e Uma Noites (1994)
  • Fogo Contra Fogo (1995)
  • Cassino (1995)
  • Sleepers- A Vingança Adormecida (1996)
  • Estranha Obsessão (1996)
  • As Filhas de Marvin (1996)
  • Mera Coincidência (1997)
  • Jackie Brown (1997)
  • Cop Land (1997)
  • Ronin (1998)
  • Ninguém É Perfeito (1999)
  • Máfia no Divã (1999)
  • Homens de Honra (2000)
  • Entrando Numa Fria (2000)
  • As Aventuras de Alceu e Dentinho (2000)
  • A Cartada Final (2001)
  • 15 Minutos (2001)
  • Showtime (2002)
  • O Último Suspeito (2002)
  • O Enviado (2002)
  • A Máfia Volta ao Divã (2002)
  • A Ponte de San Luis Rey (2003)
  • O Espanta Tubarões (2004)
  • O Amigo Oculto (2004)
  • Entrando Numa Fria Maior Ainda (2004)
  • O Bom Pastor (2006)
  • Stardust- O Mistério da Estrela (2007)
  • Fora de Controle (2008)
  • As Duas Faces da Lei (2008)
  • Machete (2010)
  • Homens em Fúria (2010)
  • Estão Todos Bem (2010)
  • Entrando Numa Fria Maior Ainda Com a Família (2010)
  • Sem Limites (2011)
  • Os Especialistas (2011)
  • Noite de Ano Novo (2011)
  • As Idades do Amor (2011)
  • Poder Paranormal (2012)
  • O Lado Bom da Vida (2012)
  • A Família Flynn (2012)
  • Assassinos de Aluguel (2012)
  • Última Viagem a Vegas (2013)
  • Trapaça (2013)
  • Temporada de Caça (2013)
  • O Casamento do Ano (2013)
  • Ajuste de Contas (2013)
  • A Família (2013)
  • Profissão de Risco (2014)
  • Um Senhor Estagiário (2015)
  • O Sequestro do Ônibus 157 (2015)
  • Joy- O Nome do Sucesso (2015)
  • Tirando o Atraso (2016)
  • Predileção (2016)

 



terça-feira, 11 de abril de 2017

O Poder é Inebriante: House of Cards

              Depois que nos tornamos adultos, queremos que o tempo passe devagar. Menos quando estamos esperando a estreia da nova temporada de House of Cards!! A quinta temporada já teve sua estreia confirmada para o final de maio de 2017. Comecei a assitsir por recomendação de amigos, e não me arrependo nem um pouco!
              A série criada por Beau Willimon para a Netflix, traz a trajetória de Frank Underwood (interpretado magistralmente por Kevin Spacey), um político que lidera a bancada majoritária da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Ressentido ao descobrir que não será nomeado Secretário de Estado no novo governo, ele começa sua jornada de planos mega maquiavélicos, apoiado pela esposa Claire (excelente atuação de Robin Wright também).
              Os bastidores da política nua e crua, envolvendo políticos, jornalistas, empresários e o efeito borboleta de cada ação (qualquer semelhança com a política brasileira, creio ser mera coincidência rs). A série é repleta de reviravoltas, é difícil saber o que o protagonista está tramando, até que se concretize.
               A trama é muito bem desenvolvida, atraindo a atenção do telespectador cada dia mais. Frank é um personagem que vai despertar amor e ódio com a mesma intensidade. Uma das minhas partes favoritas é o protagonista compartilhar seus pensamentos com quem o assiste.

              A análise psicológica dos personagens, também é outro ponto a favor do programa. A luta de egos, e o que cada um é capaz de fazer para alcançar o poder ou conviver com as pessoas que o detém é um dos pontos mais altos da série.
          
               Quem decidir conhecer, provavelmente não irá se arrepender (mas recomendo que tenha pelo menos um leve gosto por política). Já ouvi dizer que é a série favorita do ex-presidente Barack Obama. Se for mesmo, tamo junto Obama!!!



Hoje é Dia de Clássico Bebê: Laranja Mecânica


                                       Ficha Técnica:

Título Original: A Clockwork Orange
Ano: 1972
Gênero: Ficção Científica/Drama/Policial
Direção: Stanley Kubrick
Elenco: Malcom McDowell, Patrick Magee, Michael Bates, David Prowse, Adrienne Corri

              Stanley Kubrick era um mestre em transformar ótimos livros em grandes filmes, e este é mais uma adaptação que deu muito certo (adaptado do livro homônimo de Anthony Burgess). Foi um filme inovador, em alguns países foi censurado (inclusive no Brasil). Uma coisa é triste, que o  filme foi meio profético, pois vemos a banalização da violência todos os dias.
              O filme traz a Inglaterra em um futuro incerto, onde as gangues dominam e vivem em conflito. Alex (Malcom McDowell) é líder de uma das gangues, e acompanhamos sua rotina de violência, sexo e drogas (com seus "druguinhos"). É traído por seus próprios companheiros, e enviado a prisão decide participar de um experimento, que tem como objetivo eliminar a capacidade da pessoa de fazer mal às outras.Porém, ao sair da prisão, Alex terá que enfrentar as consequências de seus atos anteriores, independente de ter mudado de vida ou não.
               O filme foi massacrado por alguns críticos britânicos, o que levou com que o diretor não permitisse sua exibição no Reino Unido (o filme só foi exibido após sua morte). A adaptação foi tão meticulosa, que os personagens do círculo de Alex utilizam a mesma linguagem peculiar do livro no filme (sim, a linguagem foi criada pelo autor do livro, e não por Kubrick, como alguns pensam), algumas versões do livro tem um dicionário dessas expressões em seu final. Os cenários são como todos os filmes de Kubrick, com cores vibrantes, que se destacam nas cenas. E Alex, com certeza é um dos personagens mais marcantes do cinema, um sociopata, que sabe ser educado e ao contrário de seus amigos ouve Beethoven e em uma das cenas épicas (que foi de improviso do ator) canta Singing In The Rain, enquanto faz uma de suas maiores maldades!
                O filme foi gravado em locações externas e cenários reais, utilizando a luz natural na fotografia. Considerado um clássico, e obrigatório para todo cinéfilo! Muitos amam o filme, outros odeiam. Me incluo na primeira opção, não sei quantas vezes assisti, mas foram muitas (acho que tantas, que sempre me pego cantarolando Singing In The Rain enquanto trabalho!). Para saber em qual opção se encaixa, só assistindo...





                

terça-feira, 28 de março de 2017

Donald Trump: Muito Poder e Pouca Diplomacia

              Faz pouco mais de dois meses que Donald Trump assumiu a presidência dos Estados Unidos. E com certeza, desde então ele está em evidência sempre. Mas infelizmente nem sempre com pontos positivos. O presidente já se indispôs com diferente comunidades e usa o twitter para rebater críticas. Já se chocou com a imprensa.  Alegou que o ex-presidente Barack Obama teria grampeado seus telefones durante a campanha eleitoral, porém não foram apresentadas provas. A Casa Branca pediu que o congresso investigasse o caso. E as mudanças na reforma da Saúde, que pretendem colocar outra lei no lugar da Patient Protection and Affordable Care Act, mais conhecida como Obamacare, também não estão agradando todos.Até sua assessoria de imprensa parece perdida às vezes quando são questionados sobre declarações feitas pelo presidente.
              Mas um momento muito embaraçoso, foi durante a visita da chanceler alemã, Angela Merkel, a Casa Branca. Durante a sessão de fotos no Salão Oval, o fotógrafos pediram o tradicional aperto de mãos oficial, Trump simplesmente ignorou o pedido, mesmo com muita insistência, ele simplesmente ficou com as mãos cruzadas, sem olhar para a chanceler! Parecia um momento em que sua mãe insiste para que você se desculpe com seu irmão, e você fingindo que não ouve! Não temos como questionar o poder de Trump, ele foi eleito presidente do país mais influente do mundo. Mas onde está a diplomacia? Não é disso que se trata a política, senão tudo acaba em guerra? Mas no caso da chanceler, além de tudo pareceu falta de educação mesmo. Não temos como gostar de todos que temos que conviver, mas respeito é a base de tudo. Espero que o governo se acerte e faça uma ótima administração, pois eles são o espelho do mundo. Enquanto isso, sei que não vai faltar assunto em um dos meus programas favoritos: Last Week Tonight, com o apresentador John Oliver....

Dica de Filme: Lugares Escuros

                                          FICHA TÉCNICA:

Título Original: Dark Places
Ano:2015
Direção: Gilles Paquet-Brenner
Gênero: Suspense/Drama
Elenco: Charlize Theron, Nicholas Hoult, Christina Hendricks, Corey Stoll, Chloë Grace Moretz, Tye Sheridan

                Charlize Theron já mostrou há muito tempo que não é só mais um rostinho bonito. Neste filme ela não é a mocinha perfeita. Baseado no livro de Gillian Flynn, o filme traz a história de uma sobrevivente de uma tragédia familiar. Libby Day (Charlize Theron) após o assassinato da mãe e uma irmã, crime cometido supostamente por seu irmão, recebe muitas doações e vive às custas disso até a vida adulta.
             Sua vida parece que simplesmente estacionou, ela não foi atrás de nenhum sonho e nem a fundo para saber realmente o que aconteceu com sua família. Precisando de dinheiro e sem nunca ter se preocupado em construir uma carreira, ela aceita a proposta de Lyle (Nicholas Hoult) para reviver sua tragédia pessoal ,onde ele faz parte de um clube onde os membros são fascinados por assassinatos misteriosos e serial killers.
             Nisso entram em cena as lembranças confusas que Libby tem do que ocorreu. Contudo, ela passa então a ficar realmente interessada em buscar a verdade. E até esse quebra cabeça chegar a sua peça final, temos um suspense bem interessante.
             E também com a recriação das lembranças, vemos uma família com muitos problemas, e que talvez de qualquer forma terminaria em uma tragédia. Com uma atuação bem consistente de Chritina Hendricks, como uma mãe afetuosa, porém desorientada quanto ao futuro de seus filhos. E também uma Chloë Grace Moretz como uma bad girl com cara de anjo.
              Acredito que o mais importante do filme, pe que o pior a enfrentar são nossos próprios demônios, aceitar e tentar reparar nossos erros. A adaptação não fez o mesmo sucesso de Garota Exemplar, também baseado em uma obra de Gillian, mas mesmo assim vale a pena como um filme que al´m de suspense, traz um pouco de reflexão para cada um. Até a próxima dica!





                

quarta-feira, 22 de março de 2017

Luz, Câmera, Ação: Francis Ford Coppolla

                Ele dirigiu filmes memoráveis. Clássicos. Reinventou o estilo de filmes de gangsters em Hollywood. Foi indicado ao Oscar por várias vezes, vencendo cinco. Vamos falar um pouco de Francis Ford Coppolla.
                Francis Ford Coppolla nasceu em 07 de abril de 1939, em Detroit, no estado de Michigan, nos Estados Unidos. De origem italiana, o Ford foi uma homenagem ao criador da marca de automóveis, o qual patrocinava a orquestra que seu pai era co-diretor. Quando tinha dois anos, se mudou co a família para Nova York, tendo sido criado no Queens. Em sua adolescência fazia filmes com uma câmera 8 mm que ganhou de seu pai.
               Em 1959 foi estudar cinema na UCLA, em Los Angeles. Nessa fase foi assistente do diretor Roger Corman, em filmes de baixo orçamento, e passou a escrever roteiros também. Em 1962 dirigiu e escreveu o roteiro de Os Amantes do Nudismo. Em 1963 dirigiu Dementia 13. No mesmo ano se casou com Eleanor Coppolla, com a qual teve quatro filhos.
               Sua carreira estava em ascensão e dirigiu alguns outros flmes, até estourar com o roteiro de Patton- Rebelde ou Herói?, em 1970. Ganhou o Oscar por este roteiro em 1971. Mas foi no ano seguinte que entrou para a lista dos consagrados, quando dirigiu o grande clássico O Poderoso Chefão, o primeiro filme da série, adaptado da obra do escritor Mario Puzo. O filme venceu o Oscar de Melhor Filme e Roteiro Adaptado. E se tornou um grande clássico e referência em filmes sobre a máfia italiana.
                 A sequência, O Poderoso Chefão Parte II, lançado em 1974, venceu o Oscar em cinco categorias, incluindo Melhor Filme e Roteiro Adaptado novamente (é meu filme favorito da série, apesar de Marlon Brando arrasar no primeiro). Escreveu o roteiro para O Grande Gatsby, que não foi muito bem recebido por público e crítica (contrariando, eu gosto muito desse filme, principalmente em comparação com a nova versão). Coppolla então se dedicou a um projeto muito ambicioso Apocalypse Now. O filme teve grandes percalços até estrear e foi amado e odiado pela crítica e seus altos custos, quase levaram o estúdio recém criado por ele, American Zoetrope, a falência. Eu particularmente, acho um dos melhores filmes de guerra já feitos, muito mais concentrado nos efeitos psicológicos causados aos soldados do que nas batalhas. Com frases memoráveis e ótimas atuações, além da excelente trilha sonora.
                 Por conta de problemas financeiros, devido a projetos que não trouxeram o retorno esperado, o diretor teve que participar de projetos que normalmente não participaria. Teve alguns sucessos na década de 1980, como O Selvagem da Motocicleta, e no ano de 1990 lançou o último filme da trilogia O Poderoso Chefão Parte III (que não faz parte da história no livro de Mario Puzo) e que foi um grande sucesso de bilheteria.
                 Em 1997 dirigiu outro filme que simplesmente adoro O Homem que Fazia Chover, baseado na obra de John Grisham. A ênfase na ganância e desumanização da profissão de advogado são muito bem abordadas, juntamente com os dilemas éticos (como na maioria dos livros do excelente autor).
                  Hoje trabalha mais como produtor. É pai da também diretora Sofia Coppolla e tio do ator Nicolas Cage.
                 FILMOGRAFIA:
  • Os Amantes do Nudismo (1962)-diretor/roteirista
  • The Bellboy and the Playgirls (1963)-diretor/roteirista
  • Dementia 13 (1963)-diretor/roteirista
  • Agora Você é um Homem (1966)-diretor
  • O Caminho do Arco Íris (1968)- diretor
  • Caminhos Mal Traçados (1969)- diretor
  • Patton- Herói ou Rebelde? (1970)- roteirista
  • O Poderoso Chefão Parte I (1972)-diretor/roteirista
  • O Poderoso Chefão Parte II (1974)- diretor/roteirista
  • A Conversação (1974)- roteirista
  • O Grande Gatsby (1974)- roteirista
  •  Apocalypse Now (1979)-diretor/roteirista
  • O Fundo do Coração (1982)-diretor/roteirista
  • Vidas Sem Rumo (1983)-diretor
  • O Selvagem da Motocicleta (1983)-diretor/roteirista
  • Cotton Club (1984)-diretor/roteirista
  • Peggy Sue- Seu Passado a Espera (1986)-diretor
  • Jardins de Pedra (1987)-diretor/roteirista
  • Tucker, Um Homem e Seu Sonho (1988)-diretor
  • Contos de Nova York (1989)-diretor/roteirista
  • O Poderoso Chefão Parte III (1990)-diretor/roteirista
  • Drácula de Bram Stoker (1992) diretor
  • Jack (1996)-diretor
  • O Homem que Fazia Chover (1997)-diretor/roteirista
  • Supernova (2000)-diretor
  • Velha Juventude (2007)-diretor/roteirista
  • Tetro (2009)-diretor/roteirista
  • Virgínia (2012)-diretor/roteirista





segunda-feira, 20 de março de 2017

Reforma da Previdência:Alguém vai conseguir se aposentar?

             Muito tem se falado sobre as propostas da Reforma da Previdência. Cada vez mais emendas são acrescentadas. Mas de cara, tem deixado todos os trabalhadores com medo do que pode vir. Alegam que a reforma é necessária por constar um déficit na Previdência de mais de R$150 bilhões (o que todos os dias vemos gente contestando isso, alegando ser uma fraude). Dizem que os principais motivos desse "rombo" seriam um maior envelhecimento da população e a crise financeira que traz consigo o desemprego. Mas também existe um grande problema de sonegação e isenção de alguns setores da economia. Não sei se existe o déficit ou não, mas a questão é, se as mudanças propostas forem aceitas, será que alguém ainda conseguirá se aposentar integralmente??
            A proposta do governo fixa a idade mínima para requerer a aposentadoria para 65 anos (para homens e mulheres) e o tempo mínimo de contribuição para 25 anos (15 atualmente). Elevando a idade mínima do regime próprio da União, aumenta automaticamente as idades dos servidores de estados e municípios, Judiciário e Legislativo. Para homens acima de 50 e mulheres acima de 45, poderão ainda se aposentar pela regra atual, mas terão que pagar um pedágio de tempo de 50% para o tempo que falta.Para se aposentar com 100% do benefício serão necessários 49 anos de contribuição!
             A PEC revoga também aposentadoria especial para professores do ensino fundamental e médio e policiais civis, o governo determinou que policiais militares e bombeiros ficarão de fora das mudanças (vamos todo mundo estudar pra entrar para um dos dois!). A pensão por morte que atualmente é integral, deverá ser reduzida para 50%, mais 10% por dependente e deve ser desvinculada do reajuste do salário mínimo ( homens por favor aprendam a ser imortais, ou suas viúvas morrerão de fome!!). Além de que as pensões não poderão mais ser acumuladas. Idosos ou deficientes de baixa renda tem direito a um beneficio assistencial, mesmo sem contribuição. A idéia da mudança é desvincular este benefício também de reajuste de salário mínimo. E o governo pretende aumentar a alíquota de contribuição de 11 para 14% para funcionários públicos federais.
              Muitos protestos vem sido realizados por trabalhadores de muitos setores, contra as medidas propostas, contando com paralisações parciais de ônibus e metrô e São Paulo. Agora vamos pela lógica, para uma pessoa que começar a trabalhar registrada com 18 anos (ou um autônomo que contribua), de cara para ele receber integral (se não tiver nenhuma interrupção na contribuição, o que em um país como o nosso que vive mergulhado em crises financeiras e desemprego é praticamente impossível!) tem que trabalhar até os 67 anos! E conhecendo na prática (pois vi a luta do meu pai para se aposentar) quando uma pessoa passa dos 40 anos é extremamente complicado para ela arrumar um emprego, para o mercado já são considerados velhos. Sendo assim quem vai se aposentar??
              Eu acho que as pessoas tem que protestar mesmo. Querem conseguir mais dinheiro, diminuam os gastos com políticos, que custam em média R$ 100.000 por mês aos cofres públicos, contando com seus salários e suas listas imensas de "auxílios"(isso sem contar os desonestos que desviam muito mais). Como eu disse em um post uma vez eu não votei no presidente Temer, mas torcia para que ele desse certo (pelo visto vou ficar só na torcida, vou voltar a acreditar em Papai Noel que é melhor). Mas não se enganem com o discurso do ex-presidente Lula, que agora se diz contra, mas em várias entrevistas já se mostrou favorável a uma grande reforma da Previdência. Já a ex-presidente Dilma, que nos deixou Michel Temer de herança, essa sempre vai ser difícil saber se ela é a favor ou contra alguma coisa!

Obs: Em 21/03/2017 o presidente Michel Temer anunciou que os servidores públicos estaduais e municipais não farão parte da reforma da Previdência.


quarta-feira, 8 de março de 2017

Grandes Vilões das Telas: Hannibal Lecter

             Ele é um dos vilões mais aterrorizantes das telas, e de certa maneira, exerce um fascínio sobre as pessoas. Fez parte de uma série de filmes, interpretados por diferentes atores. O personagem fez tanto sucesso que deu origem a uma série de TV. O vilão de que falo é Hannibal Lecter.
             Hannibal Lecter é um psiquiatra renomado, um homem extremamente culto, fino, elegante e também um psicopata sanguinário e canibal! Thomas Harris, jornalista e escritor americano é o criador deste personagem, escreveu quatro livros em que ele aparece.
   
             A primeira adaptação para o cinema que fez sucesso foi O Silêncio dos Inocentes (em 1986 foi adaptado Dragão Vermelho, sem grande bilheteria), em 1991. Uma agente novata do FBI conta com a ajuda do serial killer para encontrar um outro assassino que arranca a pele de suas vítimas, conhecido como Buffalo Bill. A excelente interpretação de Anthony Hopkins como Lecter e Jodie Foster como a agente Clarice trouxeram cinco Oscars para o longa.
            Em 2001 chegou as telas Hannibal, dirigido por Ridley Scott, com a volta da agente Starling, mas dessa vez interpretada por Julianne Moore. A história se passa sete anos após O Silêncio dos Inocentes, Hannibal está foragido e vivendo na Europa, porém sua única vítima que sobreviveu (embora tenha ficado desfigurado) busca vingança. Ele então usa a agente Starling como isca. Particularmente, não gosto muito desse filme da série.

              Em 2002 é lançada outra versão de Dragão Vermelho, com Anthony Hopkins ainda no papel, e Edward Norton interpreta um agente do FBI que é manipulado em um jogo psicológico pelo psicopata. Em 2007 é lançado o último filme da saga: Hannibal: A Origem do Mal, onde uma versão bem mais jovem do vilão é interpretada pelo ator francês Gaspard Ulliel, onde é contada a história dos primeiros anos do personagem , e a origem de seus atos (se é que tem como explicar).

              Em 2013 estreou a série Hannibal, com o ator dinamarquês Mads Mikkelsen no papel do doutor psicopata. A série foi criada por Bryan Fuller e teve três temporadas. Segundo consta, o escritor teria se inspirado em um médico mexicano (o qual chamou apenas de Doutor Salazar) que conheceu quando foi entrevistar um outro preso. Seja quem for, deu origem a um personagem muito aterrorizante, mas com certeza também fascinante!!