quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Ícones da Moda: Coco Chanel

             A moda mudou muito desde que os homens passaram a usar peles de animais para proteger seus corpos do frio. Mas nessa indústria inconstante, alguns nomes sempre conseguem um destaque especial. Ela foi uma mulher muito à frente de seu tempo e conseguiu deixar sua marca no mundo: Coco Chanel.
             Gabrielle Bonheur Chanel, nasceu em Saumur, na França, em 1883. Sua mãe, Eugénie, era uma lavadeira solteira. Seu pai, um vendedor de roupas ambulante, acabou se casando com sua mãe, e nem imaginava que seu sobrenome se tornaria imortal através de sua filha prodígio.
               Quando tinha doze anos, sua mãe faleceu de bronquite. Seu pai a colocou com sua irmã em um orfanato. Quando fez dezoito anos, ela foi morar em uma pensão para moças católicas, o Institut Notre-Dame de Moulins, onde ela se aperfeiçoa em costura e reencontra uma tia, Adrienne, de idade muito próxima a sua. Em 1903, ela e a tia são encaminhadas a um atelier de costura de enxovais.
               Por volta de 1907, ela cantava em um café-concerto, onde surgiu o apelido de Coco, e onde ela conheceu muitos homens influentes. Acaba por se envolver com Etienne Balsan, um rico herdeiro, que lhe abriu as portas da alta sociedade.
                Frequentando este novo círculo, ela conhece o milionário inglês Arthur Capel, com o qual teve um longo e irregular romance, mas foi ele que lhe ajudou a abrir sua primeira loja, de chapéus, em 1910. Em 1919, Arthur morre em um acidente de carro. Gabrielle abriu então uma casa de costura, que também vendia chapéus. Começou a vender roupas para ir à praia e montar a cavalo. Inovou lançando as primeiras calças femininas.
                No início de 1920, ela se apaixona pelo grão duque russo, agora no exílio, Dmitri Paylovich Romanov. o romance influenciou em suas criações, ela desenhou roupas com temas do folclore russo, contratando várias bordadeiras para essa empreitada. Nesta década foi quando suas criações passaram a fazer grande sucesso. Ela misturava conforto e elegância, fazia uma fusão entre o guarda roupa masculino e feminino, e encurtou as saias! Em 1922 criou o icônico perfume Chanel N 5.
               Vestia celebridades e ditava tendências. Porém durante a Segunda Guerra Mundial, fechou a sua casa e até chegou a trabalhar como enfermeira, mas permaneceu na França. Neste período envolveu-se romanticamente com um oficial da Inteligência Alemã, Hans Dincklage. Este romance acabou custando muito caro, pois os franceses condenaram este affair, e deixaram de frequentar a Casa Chanel. Começou a vender para o outro lado do Atlântico e foi morar na Suíça.
                A ex-primeira dama americana Jackie Kennedy a pôs de volta em evidência, saindo em muitas revistas com seus tailleurs, casacos e sapatos. Coco volta a morar na França.
                 Coco faleceu em 1971, no Hotel Ritz, onde morava. Deixou sua marca, um estilo atemporal, provando que o básico pode ser tão chique. Seus tailleurs, as listras, o clássico vestido preto, o tweed e o jérsei que não faziam parte do guarda roupa feminino. Sem nos esquecermos da bolsa de matelassê com alças, que até hoje fica entre as peças mais desejadas entre as mulheres. E claro, no corte de cabelo batizado com seu nome, que recebe muitas variações, mas praticamente se tornou imortal.
                   Uma mulher que viveu sob suas regras, e graças a Deus transmitiu isso para nosso vestuário, e mostrou que para atingir a beleza não precisa ser uma tortura! Sua biografia foi retratada no filme Coco Antes de Chanel, interpretada pela atriz francesa Audrey Tautou, em 2009. Nas palavras da prórpia Coco: "A moda passa, o estilo permanece".


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Hoje é Dia de Clássico Bebê: A Felicidade Não Se Compra

                                             Ficha Técnica:

Título Original: It's a Wonderful Life
Ano: 1946
Direção: Frank Capra
Elenco: James Stewart, Donna Reed, Lionel Barrymore, Thomas Mitchell
Gênero: Comédia Dramática

              Existem muitos filmes que abordam o tema do Natal, mas com certeza este está entre os melhores (meu favorito nesse tema). James Stewart, conhecido por seus papéis nos suspenses de Hitchcock, dá vida a George Bailey, um homem de excelente coração , que se vê em um momento de desespero, a ponto de querer cometer suicídio. Um anjo então é enviado a Terra para fazê-lo mudar de idéia.
             O protagonista é como muitos de nós, cheio de sonhos e projetos, que vão se perdendo pelo caminho, e faz com que não conseguimos enxergar tudo de bom que realmente conquistamos. Ele abre mão de seus sonhos para seguir em frente com o negócio fundado por seu pai, um pequeno banco que realiza empréstimos e financiamentos imobiliários.
              No percurso acaba se casando com sua amiga de infância: Mary, uma companheira em todos os sentidos. Como em toda grande história vemos aqui o anti-herói, Mr Potter, um homem extremamente rico (em termos materiais) e sem escrúpulos.
               O anjo então para convencer George a não acabar com a própria vida, mostra como seria o mundo sem ele, e que apesar de ele se sentir tão pequeno e vulnerável, ele faz sim uma enorme diferença no mundo. E que muitas pessoas dependem dele, mesmo que ele não se dê conta disso.
               O filme com certeza é atemporal, e todos deveríamos assistir pelo menos uma vez e fazer uma reflexão profunda de nossas vidas. Com ótimas atuações, uma bela trilha sonora, é um dos mais belos filmes que existem. O irônico é que quando foi lançado, o filme foi um fracasso de bilheteria, e logo se tornou de domínio público, e ao ser exibido na TV, acabou se tornando então um sucesso.


             

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Boy Magia da Semana: Matt Bomer

              Lindo! Não tem como descrevê-lo de outra forma. Um corpo escultural, um sorriso encantador e um belo par de olhos azuis. E talentoso, claro. O Boy Magia traz Matt Bomer.
              Matthew Staton Bomer, nasceu em 11/10/1977 (libriano, por isso esbanja tanto charme!) , em Webster Groves, no Missouri, Estados Unidos. Se formou em Belas Artes na Universidade Carnegie Mellon e seguiu para Nova York para seguir com a carreira de ator.
             Aos dezessete anos já atuava no teatro. Sua estréia na TV foi na famosa soap opera All My Children, em 2000. Em 2002 participou de outro sucesso Guiding Light. Daí começaram a surgir participações em seriados como n série Tru Calling. Sua estréia no cinema foi no suspense Plano de Vôo, em 2004, protagonizado por Jodie Foster.
               Em 2006 participou do terror O Massacre da Serra Elétrica: O Início. Em 2007 integrou o elenco principal da série Traveler, mas que teve somente uma temporada. Em 2007 e 2008 fez participações na série Chuck, interpretando Bryce Larkin. Em 2009 consegue o papel principal na série que o levaria a fama mundial White Collar (que adoro, muito intrigante e inteligente), como o vigarista Neal Caffrey, que para ter sua sentença reduzida passa a trabalhar com o FBI na divisão de colarinho branco. A série terminou em 2014.
             Em 2011 interpretou Henry Hamilton no longa O Preço do Amanhã. Em 2012 mostrou o talento e o físico no filme Magic Mike, protagonizado por Channing Tatum. Em 2014 integrou o elenco do filme Um Conto do Destino, ao lado de Colin Farrel. No mesmo ano também atuou em The Normal Heart, que fala sobre o início da epidemia da AIDS e a luta de uma médica (Julia Roberts) enfrentando barreiras e preconceitos. Encerrando o ano atuou na comédia Sem Gravidade....Sem Cérebro.
            Em 2015 repete seu papel na sequência Magic Mike XXL e fez uma participação na série American Horror Story.  Em 2016 interpreta Matthew Cullen no remake de Sete Homens e Um Destino e deu vida ao personagem John Boy na comédia policial Dois Caras Legais. 
           Este ano estréia com a série The Last Tycoon, o filme Walking Out, um drama onde contracena com Bill Pullman e o drama produzido por Mark Ruffalo Anything. 
            O ator é casado desde 2011 com o publicista Simon Halls, com o qual tem três filhos, e é um ativista na luta contra a AIDS. Muitas vezes foram apontadas suas semelhanças físicas com o ator Henry Cavill (o verdadeiro significado de tanto faz rs). Que venham muitos trabalhos nas telas para o gato! Até o próximo Boy Magia. Kisses!!

terça-feira, 25 de julho de 2017

Deixou Saudade: Marilyn Monroe

                Ela foi uma das grandes divas do cinema. E se tornou um ícone pop. Ainda hoje vemos seu rosto com muita frequência, estampando tudo que se pode imaginar. Sua beleza se destacava, em uma época em que o padrão era bem diferente, ela era a rainha das curvas. E protagonizou a cena do vestido esvoaçante, imortalizada no cinema.
               Nascida Norma Jeane Mortenson,em Los Angeles,  filha de Gladys Baker, que trabalhava em um estúdio de cinema, como editora de filmes. Sua mãe tinha sérios problemas psicológicos e teve várias internações, fazendo com que Norma tivesse uma infância muito difícil. Após passar por várias casas e orfanatos (existem especulações de que ela havia sofrido abuso em alguns deles) ela se casa aos dezesseis anos, com James Doherty de vinte e um anos, que era da Marinha. Dois anos depois ele foi transferido, ela pediu o divórcio e foi tentar a carreira de atriz.
                Em 1946 assinou contrato com a Twenthieth Century Fox. Então adotou o nome de Marilyn Monroe e tingiu as madeixas de loiro. Seu primeiro filme foi uma pequena aparição em "The Shocking Miss Pilgrim", em 1947. Logo depois, a Fox cancelou seu contrato e ela foi para a Columbia, mas permaneceu apenas seis meses também.
                Em 1949, com poucos trabalhos e precisando de dinheiro, posou nua para um calendário e acabou ilustrando a primeira capa da revista Playboy, em 1953. Seu primeiro papel de destaque foi em "O Segredo das Viúvas", em 1951. A partir daí sua carreira deslanchou e muitos sucessos surgiram, como "Os Homens Preferem as Loiras", "O Pecado Mora ao Lado", "Quanto Mais Quente Melhor".
                 Se na vida profissional sua estrela brilhava, na vida pessoal nem tanto. Em 1954 ela se casou com o ex-jogador de beisebol Joe Di Maggio, um casamento muito conturbado, que acabou em menos de um ano. Em 1956, ela se casa com o dramaturgo Arthur Miller. Após várias tentativas frustradas de terem um filho, os dois se divorciaram em 1961. Seu último trabalho foi em "Os Desajustados", do mesmo ano. Em 1962 ainda participou de "Something's Got To Give", porém o filme não foi terminado e Marilyn foi demitida, por constantes atrasos e seu gênio difícil. Por trás dos holofotes, a diva tratava de uma profunda depressão e fazia uso de muitos medicamentos. Depois de muitas reviravoltas, ela foi recontratada pelo estúdio, mas faleceu em 05/08/1962 e o filme ficou inacabado mesmo...
                Foi alvo de escândalos, principalmente sobre seu envolvimento com os políticos Robert e John F. Kennedy (quando este era presidente e para o qual cantou o imortalizado Happy Birthday). Sobre isso geraram (e ainda hoje geram) muitas especulações de que sua morte não teria sido uma overdose de remédios, mas sim uma conspiração que culminou em seu assassinato, por conta de saber "muitos segredos de Estado". Seja como for, foi imortalizada. Seu rosto ainda é conhecido no mundo todo. Se tornou uma diva eterna!

                Segue sua filmografia:

  • Mentiras Salvadoras (1948)
  • Loucos de Amor (1949)
  • O Segredo das Jóias (1950)
  • A Malvada (1950)
  • Travessuras de Casados (1952)
  • Só a Mulher Peca (1952)
  • O Inventor da Mocidade (1952)
  • Almas Desesperadas (1952)
  • Torrentes de Paixão (1953)
  • Os Homens Preferem as Loiras (1953)
  • Como Agarrar um Milionário (1953)
  • O Rio das Almas Perdidas (1954)
  • O Mundo da Fantasia (1954)
  • O Pecado Mora ao Lado (1955)
  • Nunca Fui Santa (1956)
  • O Príncipe Encantado (1957)
  • Quanto Mais Quente Melhor (1959)
  • Adorável Pecadora (1960)
  • Os Desajustados (1961)



quarta-feira, 19 de julho de 2017

Uma alma compartilhada com o mundo: Frida Kahlo

                Ela foi uma grande artista do século XX. Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderon, conhecida por seu nome artístico Frida Kahlo, foi uma das maiores expoentes da pintura no México. Nasceu em 1907, em Coyoacan. Seu pai era um famoso fotógrafo e ela sempre foi apaixonada pelas artes e pelas tradições de seu país. Ela levou o México para o mundo, através de suas obras e seu jeito peculiar de se vestir.
                                    (As Duas Fridas)

               Ela já tinha sequelas de uma poliomelite que teve na infância. Aos dezoito anos ela sofreu um grave acidente de ônibus, e começou a pintar durante sua recuperação. Foram necessárias mais de trinta cirurgias, e mesmo assim ela sentiu muitas dores pelo resto de sua vida. Muitos a enquadravam como uma pintora surrealista, porém ela dizia que não pintava sonhos, e sim, sua própria realidade.
                                     (O Hospital Henry Ford)

                Em 1929 se casou com o também pintor Diego Rivera, o qual conheceu quando frequentava a Escola Preparatória Nacional, para o qual levou alguns de seus quadros para análise. O relacionamento dos dois sempre foi tumultuado. Muitas brigas, mágoas e traições de ambos os lados....Em 1930 ela engravida, mas sofre um aborto, seu corpo não aguentava uma gestação. Sofreu mais dois abortos ao longo da vida. A frustração por não poder ser mãe influenciou muito sua obra também.
                                    (Frida Kahlo Vestida de Tehuana)

                Entre 1931 e 1934 morou com Diego nos Estados Unidos. De volta ao México, teve que se submeter a outras cirurgias, e as traições de seu marido passaram a ser notórias. Frida era comunista, e em 1936 ela abriga o exilado Leon Trotsky, com o qual teve um caso amoroso (Frida dava o troco, em moeda russa ainda!!).
              Em 1938, ela conhece André Breton, escritor, poeta e teórico do surrealismo, o qual lhe apresenta ótimos contatos,e assim ela consegue sua primeira exposição individual,em Nova York, em 1939. A exposição foi um sucesso. Ela então fez exposições pela Europa, chegando a ter obras no Louvre.
                                                 (A Coluna Partida)

                              Em 1939 ela e Diego se separam, mas voltam a se casar no ano seguinte (isso não é exclusividade de Elizabeth Taylor). O final de sua vida, foi marcado por muitas complicações de saúde, chegou a ter que amputar uma de suas pernas, na altura do joelho. Debilitada e deprimida, ela passou a abusar seriamente do álcool. Morreu de embolia pulmonar em 13/07/1954.
                                             (Auto Retrato com Cabelo Solto)

               Suas obras eram marcadas por cores fortes, cenas próximas ao surrealismo, com muitos auto retratos que exprimiam seu sofrimento. Seus trabalhos também continham traços da cultura mexicana. Ela conseguia ver a beleza nas tragédias, e foi uma mulher muito a frente de seu tempo. Sua vida e obra foram retratadas no filme "Frida", com direção de Julie Taylor, e Salma Hayek dando vida a artista.


quarta-feira, 12 de julho de 2017

Lula: A alma mais honesta do Brasil é condenada

             Nesses últimos meses não tenho tido muito tempo para acompanhar a política brasileira. E devido a velocidade de escândalos que nosso país produz fica difícil mesmo! Mas essa notícia não dá para ignorar (seja por amor ou ódio, o fato é que não ficamos indiferentes): a condenação do ex- presidente Luiz Inácio Lula da Silva em primeira instância, em um dos processos em que consta como réu.
             O juiz Sérgio Moro condenou Lula pelo "caso triplex", por corrupção e lavagem de dinheiro. Através desse processo a justiça entendeu que o ex-presidente é sim o dono do imóvel mais famoso do Guarujá, no litoral de São Paulo, num acordo com a empreiteira OAS, em troca de favores na Petrobras.
             É a primeira vez que um cidadão que foi presidente é condenado por um crime comum. A sentença foi um total de nove anos e seis meses (é Lula, se continuar assim, não vai rolar um semiaberto). O juiz Moro considerou existirem provas do recebimento de R$ 2,2 milhões em propinas. Que fique claro que é só um processo, ele ainda é réu em mais quatro processos.
             O juiz nas mais de duzentas páginas de sentença, ainda cita condutas impróprias por parte da defesa no decorrer do processo. Moro determinou ainda que Lula não exerça cargo ou função pública pelo dobro de sua pena, dezenove anos. Mas pasmem, no país dos absurdos, é claro que isso não basta para tirar Lula das eleições pela "ficha limpa", já que Moro é um juiz de primeira instância. Mas independente de qual lado você se encontre, temos que admitir que nenhum outro magistrado até hoje no país, teve "tanto peito" para enfrentar tantos políticos e poderosos. Que Deus o proteja, e que sem fazer campanha para nenhum candidato, em 2018 tenhamos um presidente que não passou pelo banco dos réus (sei que fica difícil achar alguém, mas não podemos perder a fé!!).

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Personalidade Histórica: Henrique VIII

              Ele é uma figura histórica polêmica. Muitas obras são dedicadas a retratar sua biografia. Com certeza um estrategista, porém é lembrado mais por seus vários casamentos e a separação da Igreja Católica. Henrique VIII nasceu em 1491, em Greenwich. Era o segundo filho de Henrique VII, da dinastia Tudor. Se tornou rei em 1509, com a morte de seu irmão e primeiro herdeiro do trono, Arthur. E não herdou somente  trono, mas a esposa do falecido irmão, Catarina de Aragão, filha do rei espanhol.
              Henrique tinha algumas obsessões, e gerar um herdeiro masculino, era uma delas. Dos cinco filhos que teve com Catarina, somente Mary sobreviveu aos primeiros anos. Após muito tempo sem realizar seu desejo, ele toma a resolução de buscar um novo matrimônio. E ele já tinha uma pretendente, Ana Bolena (sobre a qual já escrevi), que mais ousada que sua irmã, não se contentaria em ser simplesmente amante do rei por um tempo (sim, ele teve muitas!), ela queria a coroa! Após várias tentativas infrutíferas de conseguir a anulação de seu casamento com Catarina, inclusive citando passagens da bíblia, de que não tinha um filho homem, porque " estava se deitando com a mulher de seu irmão" (se já existisse o estudo da genética como hoje, algumas de suas esposas pudessem se safar!), um processo mais do que vexatório para Catarina defender que seu primeiro casamento não foi consumado, a ambição de realizar seu novo casamento era tamanha que ele rompe com a Igreja Católica (além de ver a possibilidade de imensos confiscos, pois segundo vários historiadores, ele vivia como um astro de rock!) e se torna chefe da Igreja Anglicana.
              A paixão avassaladora de Henrique por Ana no entanto,não resistiu ao fato de ela não conseguir dar o tão sonhado herdeiro ao monarca. Ela deu a luz a uma filha, Elizabeth (que acabou se tornando rainha), e sofreu alguns abortos. Henrique contrariado, e com uma horda de seguidores dispostos a tudo, acusou a esposa de adultério com vários homens, inclusive com o próprio irmão, e ela foi então condenada a morte, em 1536. Mal o corpo da falecida esfriou, ele se casa então com Jane Seymour, que lhe deu o tão sonhado herdeiro homem, mas faleceu ao dar a luz.
              Alguns de seus aliados então o convenceram a uma aliança com os protestantes alemães, o que deu origem ao seu quarto casamento com Ana de Cléves, filha do duque de Flandres. A união não foi bem sucedida e durou cerca de um ano, sem deixar para trás nenhum herdeiro, sendo anulada. Algumas fontes indicaram que os dois permaneceram amigos.
             Ele então parte mais uma vez em busca de um matrimônio, dessa vez sendo a escolhida Catherine Howard, de dezessete anos, sobrinha do duque de Norfolk. Outro casamento que não durou muito, assim como Ana Bolena, Catherine foi acusada de adultério e decapitada (esta porém confessou). Mas ele não havia desistido...
             Aos cinquenta anos, Henrique se casa pela sexta e última vez, com Catherine Parr, uma jovem viúva que tinha um bom relacionamento com a prole do rei. Em 1541, Henrique é declarado rei da Irlanda, seus últimos anos de reinado foram considerados tranquilos. Em 1547, morre  vítima de uma grave infecção, no Palácio de Whitehall.
           Seu reinado foi marcado por grandes disputas com a Espanha e França, além das grandes reviravoltas com a Igreja Católica. Foi muito amigo do escritor Thomas More, que chegou a ser seu chanceler (porém o condenou a morte também!). Muitas obras são dedicadas a ele, como o livro VIII,de H.M. Castor; As Seis Mulheres de Henrique, de Antonia Fraser; Autobiografia de Henrique VIII, de Margaret George; a trilogia da renomada escritora Hilary Mantel, iniciada com o livro Wolf Hall, mas nessa trilogia a história é contada pela visão de Thomas Cronwell. Entre os filmes encontramos Os Amores de Henrique, de 1933; O Homem que não vendeu sua alma, de 1966; A Outra, de 2008, além das séries The Tudors e Wolf Hall.
             Mas na maioria das obras, Henrique é mostrado como um homem crédulo, facilmente manipulado, pelo seu imenso orgulho. Na minha singela opinião, ele que era o mestre da manipulação, e jogava xadrez com aqueles que pensavam que estavam se dando bem....Lutou tanto por um herdeiro homem, o qual reinou por tão pouco tempo. Quem fez a estrela da Inglaterra brilhar, foi Elizabeth, a filha da mulher que ele tanto amou e desprezou: Ana Bolena!

           

domingo, 2 de julho de 2017

Dica de Filme: Macbeth: Ambição e Guerra

                                          Ficha Técnica:

Ano: 2015
Direção: Justin Kurzel
Gênero: Drama
Elenco: Michael Fassbender, Marion Cotillard, Sean Harris, David Thewlis, Elizabeth Debicki

               As obras de Shakespeare vem sendo adaptadas para as telas há muito tempo, geralmente existem várias versões da mesma obra. Na última versão de Macbeth, o diretor enfatiza o cenário, utiliza a linguagem original do autor na maior parte do filme, o que sim, o torna um pouco difícil de assistir, mas com certeza vale a pena.
             O início sombrio do filme, marcado pelas batalhas, num tom realista, e ao mesmo tempo artístico já é uma grande sacada do diretor.
             Na história, o general escocês Macbeth ouve a profecia de três bruxas, de que ele será o rei da Escócia. Altamente influenciado por essa profecia, e por sua esposa (em uma atuação brilhante de Marion Cotillard), que acredita que o poder fará seu marido esquecer o fato de ela não conseguir lhe dar um filho, ele então decide assassinar o rei Duncan e consegue tomar seu lugar. E para mantê-lo, ainda terá de cometer muitos atos vis...
               Eu simplesmente AMO o Michael Fassbender (o ator, embora o homem seja lindo!), e a cada atuação sua, meu amor se confirma. Neste longa, ele mostra toda sua habilidade como um grande ator, confirmando ser um dos maiores de sua geração. A evolução da culpa, misturadas com suas paranoias, que terminam por levá-lo a loucura, é mostrada de uma forma fascinante pelo ator.
              Lady Macbeth também é uma personagem extremamente interessante. Vemos uma mulher bonita, inteligente, mas imensamente amargurada pelo fato de não poder ter filhos, e que se apega a ambição e impõe a meta de fazer com que seu nome e de seu esposo não sejam esquecidos, visto que sua linhagem termina ali....
              Shakespeare é atemporal porque trata de sentimentos inerentes ao ser humano, como amor, ódio, orgulho, inveja, ambição....Tudo isso misturado com uma grande direção, excelentes artistas e uma fotografia muito bem calculada, torna esta adaptação uma obra de arte.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Grandes Vilões das Telas: Nazaré Tedesco

              Claro que temos muita maldade nas telas ao sul do Equador. E para começar com uma vilã tupiniquim, nada melhor que ela, que no fim acabou sendo mais amada do que odiada: Nazaré Tedesco.
              Maria de Nazaré Esteves Tedesco, mais conhecida pelos íntimos como "Naza", foi a vilã da novela Senhora do Destino, de Aguinaldo Silva, brilhantemente interpretada por Renata Sorrah. A novela foi originalmente exibida nos anos de 2004/2005, e atualmente é exibida sua reprise no Vale a Pena Ver de Novo, da TV Globo.
             Na novela, ela se passa por enfermeira e sequestra a bebê de Maria do Carmo (Suzana Vieira), para fazer com que seu amante (vivido por Tarcísio Meira) acredite que ela teve uma filha com ele, e ele deve abandonar a esposa para ficar com ela.
             Muitos anos se passaram, até que o então marido descobre a história, e ela não tem dúvidas: joga ele da escada! Foram muitas de suas maldades até o final feliz da novela. Mas ela era tão louca, tão engraçada, que valia a pena esperar por suas cenas.
             Até hoje, ela reina nas redes sociais, com comunidades dedicadas ao personagem e muitos vídeos de seus momentos no youtube. Foram muitos os bordões que ela criou ao longo da novela, como "anta nordestina", referindo-se a sua rival Maria do Carmo; "songa monga", como ela chamava a enteada; "gata felpuda", referindo-se a ela mesma em um dos vários momentos em que ela conversa consigo no espelho, onde também se autodenomina "pegadeira", diz que "é impressionante como o tempo só te favorece" ou "eu sou a Naza e posso te levar a lua".
            Suas vítimas foram jogadas de escada, atacadas com tesoura, e teve até um ventilador jogado na banheira de um motel (uma coisa bem abelha rainha, matando após o acasalamento! rsrs). Por fim sequestrou a filha de Isabel (a menina que raptou e que agora usa seu verdadeiro nome: Lindalva) e num ato de "o amor fala mais alto", devolveu a criança à mãe e se jogou do alto da ponte com seu vestido vermelho, totalmente diva!!
             Devo admitir que ela é minha vilã favorita da teledramaturgia brasileira. nenhuma personagem conseguiu misturar maldade, humor e loucura como ela. O sucesso da personagem é tão grande, que segundo consta ela "ressuscitará" na próxima novela de Aguinaldo Silva. Aguardar para ver....Naza, o Brasil te espera!!!