segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Será que é necessário tantas cenas de sexo no cinema e TV?

                 Outro dia estava assistindo o filme Sabrina (a primeira versão, com Audrey Hepburn, é claro!) e fiquei pensando, é um filme tão lindo, que já assisti várias vezes e não me canso, e não tem nenhuma cena de sexo nele! Longe de mim querer ser uma puritana, mas várias vezes já me peguei pensando, Será que é necessário tantas cenas de sexo no cinema e na TV?
             Se você parar para pensar nos mais belos filmes de romance de Hollywood, nenhum deles tem cenas de sexo... E não estamos falando somente de filmes das décadas de 1940 e 1950, um dos meus favoritos no gênero A Época da Inocência, de 1993, também não tem cenas de sexo. Por que o que é para ser traduzido na tela é o sentimento, e amor não quer dizer sexo (embora geralmente o sexo acabe sendo consequência) e vice-versa.
             As novelas brasileiras então, nem se fala. Em qualquer horário.... Você está jantando, e de repente você olha para a TV e tem duas (ou mais) pessoas se engalfinhando na tela!E agora novela virou propaganda de "ideologia de gênero". Não estou aqui contra ninguém, todo ADULTO tem direito a fazer o que quiser. Mas temos crianças assistindo! Já vi idosos ficarem vermelhos perto de mim quando passa uma cena dessas...
             Todos nós sabemos que o sexo existe, afinal de contas, senão não estaríamos aqui, mas eu me pergunto será que existe essa necessidade, ou é pura apelação mesmo? O amor é um sentimento muito mais sublime do que a junção de dois corpos, e acho que é isso que devíamos pregar. Principalmente o amor ao próximo, que infelizmente anda meio em baixa.... Por enquanto, em matéria de filmes de romance, vou continuar me divertindo e chorando com Bonequinha de Luxo, Casablanca, Romeu e Julieta, entre outros tão belos filmes que só trazem belas atuações, belas imagens e muitoooo amor!

Dica de Filme: Ex Machina: Instinto Artificial

                                       Ficha Técnica:

Título Original: Ex Machina
Ano: 2015
Gênero: Ficção Científica
Direção: Alex Garland
Elenco Alicia Vikander, Domhnall Gleeson, Oscar Isaac

                  Não tenho meio termo quando se trata de filmes de ficção científica, ou amo ou odeio, então se estou escrevendo sobre este é porque realmente achei excelente! Na história, Cales Smith (Domhnall Gleeson) é um programador que trabalha na empresa Bluebook, responsável pelo mecanismo de busca mais utilizado no mundo. Ele ganha um concurso dentro da empresa, e o prêmio é ir passar um final de semana na casa do excêntrico presidente da companhia, Nathan Baterman (Oscar Isaac), um homem que vive recluso em uma mansão ultra moderna e cheia de todo conforto e tecnologia. A única pessoa que vive com ele é Kyoko, uma espécie de governanta, que não fala inglês.
                  Nathan revela que na verdade, Caleb está ali para aplicar o Teste de Turing;o qual testa a capacidade de uma máquina exibir comportamento inteligente equivalente a um ser humano, ou indistinguível deste; em um projeto de Inteligência Artificial, a robô Ava.
               Nathan revela que utilizou seu próprio mecanismo de busca para ver o que as pessoas pensavam e procuravam, além de se infiltrar em muitos celulares, para gravar expressões e linguagens corporais das pessoas, para utilizar em seu projeto. Acho muito interessante essa questão, pois nos leva a pensar, que somos induzidos a acreditar que somos livres, quando na verdade podemos estar sendo monitorados o tempo todo... E até induzidos ao que pensar e fazer....
                Caleb acaba se afeiçoando a Ava, que utilizando de seus mecanismos, causa blecautes para "ficar a sós" com ele, e lhe diz que Nathan não é confiável. Vendo a forma como o executivo se comporta, Caleb acaba acreditando que Ava é abusada por ele, e começa a planejar tirá-la de lá, já que Nathan disse que logo a reprogramará ( no caso, apagaria suas "memórias").
                 O filme ainda conta com uma boa dose de suspense, ótimos efeitos, e um final simplesmente surpreendente. Parabéns ao trabalho de Alicia Vikander, que mais uma vez mostra ser uma das atrizes mais promissoras de nossa geração. Vale muito a pena assistir. Até a próxima dica!

sábado, 20 de janeiro de 2018

Boy Magia da Semana: Evan Peters

                 Dizem que os olhos são as janelas da alma. Neste caso, que janelas! Claro que o rapaz tem muito mais beleza por vir, mas eu sou apaixonada pelo olhar do Evan Peters! Ele tem um olhar tão profundo e marante, que nunca passa despercebido. Sempre me vem a mente a música da banda RPM "é um lago negro, o seu olhar...."ai ai....
                Evan Thomas Peters, nasceu em 20/01/1987 (Happy Birthday honey!!!), em St Louis, no Estado do Missouri, E.U.A.  Frequentou uma escola católica (lindo e bom moço, a gente não resiste!!). Em 2001 sua família se muda para Grand Blanc, Michigan, onde o belo começa a trabalhar como modelo e ter aulas de atuação.

                 Aos quinze anos ele se mudou com sua mãe para Los Angeles, para investir em sua carreira como ator e terminou seus estudos em casa. Seu primeiro papel no cinema foi em 2004, no filme Clipping Adam. No mesmo ano interpretou um skatista atrapalhado na comédia Dormindo Fora de Casa. Participou de algumas séries como Phill of the Future e Invasion.  Em 2007 atua no drama Um Crime Americano, no papel de Ricky Hobbs, o filme ainda traz Ellen Page e James Franco no elenco.
                Em 2008 participou do filme de ação como Quebrando Regras e fez várias participações em séries aclamadas como Without a Trace e House. Em 2010 dá vida a Todd no longa Kick-Ass: Quebrando Tudo, protagonizado por Aaron Johnson.  Mas foi em 2011 que veio seu primeiro papel de destaque (e podemos ver que existe muito futuro no rapaz) na série que se tornou um grande sucesso: American Horror Story. Nessa temporada de estreia ele interpreta Tate Langdon, um adolescente problemático que é paciente do psiquiatra Ben Harmon e se apaixona por sua filha.

               A série traz em cada temporada uma história diferente (a série está na sétima e ele participou de todas até agora) e ele interpreta em cada uma um papel bem diferente, onde vemos um ator versátil e talentoso, que promete nos presentear com ótimas atuações ainda. Também conseguiu o papel do mutante Mercúrio na franquia de X-Men, tendo participado dos longas Dias de um Futuro Esquecido (2014) e Apocalypse (2016) e em 2018 estreará Fênix Negra. Namora a atriz Emma Roberts, com a qual contracenou em algumas temporadas de American Horror Story. Que o sucesso continue te abençoando lindo! Até o próximo Boy Magia! Kisses!!
                

domingo, 14 de janeiro de 2018

Grandes Vilões das Telas: Gustavo Fring

                Breaking Bad foi uma das séries de maior sucesso, tanto que gerou um spin-off, Better Call Saul, e este personagem faz parte destes dois sucessos de público e crítica. Para quem não sabe, Breaking Bad conta a história de Walter White, um professor de química que descobre estar com um câncer de pulmão em estágio avançado. Em busca de ganhar dinheiro rápido, pois ele acredita  que morrerá logo, ele se junta a um ex-aluno para produzir e vender metanfetamina. Mas depois de muitos percalços e perdas financeiras, Walter decide que precisa de uma grande distribuidor de seu produto, e eis que surge Gustavo Fring.
               Gustavo "Gus" Fring (em uma brilhante interpretação de Giancarlo Esposito) é um homem acima de qualquer suspeita. Ele é um respeitável membro da comunidade, um batalhador. Nascido no Chile, ele emigrou para o México durante a ditadura de Pinochet, nos anos 80. Lá começou juntamente com um amigo de longa data, Max Arciniega, um restaurante: Los Pollos Hermanos. Quando seu amigo é assassinado pelo cartel (descobriremos isso ao longo de Breaking Bad), ele emigra então para os Estados Unidos e se estabelece na cidade de Albuquerque, no Novo México.
                 Quando aparece na série, os Pollos Hermanos se tornaram uma rede de fast food, e Gus também é dono de uma rede de lavanderias. Ele usa os dois negócios para produção e distribuição da droga pelos Estados Unidos. Ele tem um acordo quanto a distribuição de drogas com o cartel mexicano. Para encobrir sua vida criminosa, ele trabalha em seus restaurantes e faz generosas doações para o DEA, departamento de combate as drogas americano!
                 Intencionalmente, pouco se fala sobre a verdadeira origem de Gus. Quando investigado, não se localizam registros dele no Chile, e algumas insinuações são feitas por membros do cartel, como se ele tivesse sido uma grande figura na ditadura de seu país natal. Para quem vê, ele é um homem extremamente educado e solicito, um verdadeiro cavalheiro, mas quando se mostra o outro lado da moeda, é um homem bem diferente.
                   Gus é na verdade um homem frio e calculista, que não aceita erros, e no menor deslize com ele você pode literalmente perder a cabeça. Não admite que problemas pessoais dos outros interfiram em seus negócios, porém nutre um ódio desenfreado por Hector Salamanca, primeiramente porque este assassinou seu amigo. Mas em Better Call Saul, é mostrado que isso é só a ponta do iceberg, e que a rixa entre os dois tem muito mais motivos....
                  Nas duas séries, ninguém é totalmente inocente, elas são com certeza uma crítica ao ser humano e suas inúmeras falhas, antes de tratar sobre os crimes. Mas nesse universo, Gus conseguiu se destacar com louvor, como um dos personagens mais cruéis. É bem aquela história "quem vê cara, não vê coração". Neste caso um coração bem sombrio, carregado de pecados....

sábado, 13 de janeiro de 2018

Sexo, Drogas, Armas e Rock'n Roll: Sons of Anarchy

              Essa série está na lista das melhores que já assisti. Um mundo desnudo que mostra o ser humano com todas as suas qualidades e muitas imperfeições. E com a melhor trilha sonora possível: muito rock'n roll! A série foi criada por Kurt Sutter e conta a história de um clube de motociclistas, na fictícia cidade de Charming, na Califórnia, com foco em suas relações entre eles e com o restante do mundo.
                 O protagonista é Jackson "Jax" Teller, interpretado pelo ator Charlie Hunnam, seu pai, já falecido foi o fundador do clube, hoje presidido por seu padrasto Clarence "Clay" Morrow (uma excelente atuação de Ron Perlman). Jax tem que conciliar os interesses do clube, com sua agitada vida pessoal. No início da série ele é um recente pai divorciado, sua ex-eposa Wendy, uma viciada deixa o filho aos seus cuidados. Como se não bastasse, ele tem que lidar com a matrona do clã, sua mãe, a controladora Gemma Teller, vivida por Katey Sagal (para mim, a melhor personagem da série, não dá para imaginar o programa sem ela). Gemma é como a mãe do grupo e controla sua "família" com mãos de ferro, mas ao contrário da grande maioria das mães superprotetoras, ela usa calça de couro e botas de salto, bebe e fuma bastante!
                  No meio desse turbilhão todo, Jax reencontra seu primeiro amor, a agora pediatra dra Tara Knowles, personagem de Maggie Siff. O grupo tem uma oficina especializada em motos, a Teller-Morrow, mas o grande negócio deles é o contrabando de armas, o qual se desenrola em grande parte por ligações com membros do IRA.
                  Não existe um capítulo entediante na série toda. Ao contrário, por vezes existe tanta emoção, que é necessário uma pausa para pegar fôlego! Alguns episódios tem cenas bem fortes, mas muitas vezes também somos surpreendidos pela demonstração de amor, amizade e união, do jeito deles, é claro. Dentre os membros do grupo, existem muitos personagens fantásticos, como Alex "Tig" Trager, um dos membros mais antigos, e no mínimo, um dos mais exóticos da série.
                 O "efeito borboleta" também é constante na série, e existe no personagem principal um pouco de Michael Corleone, ele quer deixar aquela vida, mas é sua família, e cada vez mais vai se aprofundando....  Os conflitos com gangues rivais, cartéis, polícia, tudo isso recheia o programa de ação. O criador da série, Kurt Sutter, também dá vida a um dos grandes personagens, Otto Delaney, também da formação original do clube, e que vai passar por poucas e boas ao longo dessa jornada...A série foi originalmente exibida de 2008 a 2014. Para mim foi viciante, e acho que todos os maníacos por séries deveriam assistir. E quem quiser curtir um bom e velho rock'n roll acompanhado de grandes paisagens, também fica a dica!

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Ícones da Moda: Yves Saint Laurent

                  Ele misturou elegância e praticidade como poucos. Suas criações iam muito além de serem somente peças de vestuário, elas traduziam a alma da mulher que a vestia. A marca que leva seu nome continua sendo uma das maiores do mundo.
                  Yves Henri Donat Mathieu-Saint Laurent, nasceu em Orã, na Argélia, em 01 de agosto de 1936. Seu pai era presidente de uma Companhia de Seguros, mas ele ao contrário queria se arriscar no mundo da moda, tão competitivo e em constante mudança. Aos dezessete anos deixou a casa dos pais e foi trabalhar com o aclamado estilista Christian Dior. Em 1957 Dior faleceu, e Saint Laurente herdou o controle criativo da casa, aos vinte e um anos. Pouco depois ele foi convocado para o exército francês para lutar na Guerra da Independência da Argélia. Foi muito maltratado e ridicularizado pelos outros soldados, e com vinte dias precisou ser internado em um hospital psiquiátrico devido a um esgotamento nervoso, sendo submetido até a tratamentos de eletrochoque.
                  Em 1962 ele voltou a vida civil, deixando a Casa Dior e fundando com Pierre Bergé sua própria marca. Os dois foram companheiros por muito tempo, tendo continuado a trabalhar em conjunto mesmo após o rompimento. Saint Laurent consolidou sua marca nos anos 60, brilhando mais ainda nos anos 70. Passou a ser considerado um símbolo de sofisticação e bom gosto. Entre suas musas se encontrava a atriz Catherine Deneuve.
                   O smoking feminino foi apresentado por ele em 1966, com uma camisa transparente e uma calça masculina, revolucionando o mundo da moda, sendo chamado "le smoking". Era um novo símbolo de poder para as mulheres, e ainda é um dos ícones da marca.
                   Também serviam de inspiração constante para o estilista as estampas geométricas e étnicas. Vestiu muitas mulheres ricas e poderosas de seu tempo. Bianca Jagger casou-se com um smoking branco de sua criação.
                   Um de seus grandes feitos foi colocar em prática o Prêt-à-Porter (pronto para vestir em francês), uma moda feita industrialmente, mas com um bom corte e sofisticação, mas a preços mais acessíveis. Em 1983, foi o primeiro estilista vivo a ter seu trabalho exposto no Metropolitan Museum of Art , em Nova York. Em 2001 recebeu do então presidente da França, Jacques Chirac, a Legião de Honra, no grau de Comandante.
                   Em janeiro de 2002 anunciou sua saída do mundo da moda, fechando sua carreira em grande estilo, com um desfile que trazia uma retrospectiva de seus quarenta anos de carreira.  Em 2014 foi lançado no Brasil um filme que leva seu nome como título, dirigido por Jalil Lespert, e tendo como protagonista o ator francês Pierre Niney. Em suas palavras: "A roupa mais bela que pode vestir uma mulher são os braços do homem que ela ama. Mas, para aquelas que não tiveram a sorte de encontrar esta felicidade, eu estou lá." Faleceu em Paris, em 01 de junho de 2008, em decorrência de um câncer no cérebro.


terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Personalidade Histórica: Maria Antonieta

                  Ela é lembrada por seus excessos e extravagâncias. Viveu em um período em que as idéias revolucionárias começavam a tomar conta do mundo, e os reis e rainhas começavam a deixar de serem vistos como deuses. Maria Antonia Josepha Johanna von Habsburg-Lothringen, mais conhecida por todos nós como Maria Antonieta, nasceu em Viena, na Áustria, em 02 de novembro de 1755. Foi arquiduquesa da Áustria e Rainha Consorte de França e Navarra. Era filha de Francisco I do Sacro Império Romano Germânico e da Imperatriz Maria Teresa.
                 França e Áustria viviam em conflito há muito tempo,  então para formar uma aliança, sua mãe Maria Tereza arranjou seu casamento com seu primo Luis Augusto de Bourbon, o futuro rei da França. Assim, em 1770, aos quatorze anos foi realizado seu casamento. Praticamente uma criança, em um país diferente do seu, e desprezada por grande parte da população por sua nacionalidade, apesar de todo luxo, sua vida em muitos momentos deve ter sido um verdadeiro inferno!
                    Uma das grandes curiosidades, é que seu casamento demorou um longo tempo para ser consumado. Sua mãe, temendo ver seus planos frustrados, chegou a mandar um nobre, o Conde de Mercy-Argenteau, para tentar resolver a situação e lhe enviar os detalhes. Trocava muitas cartas com a filha a cobrando de sua situação, e dizem que no final até ofendia a filha por não despertar paixão em seu marido e assegurar sua posição como futura rainha. O rei Luis XV, exibia publicamente sua amante  Madame du Barry, coisa que Maria Antonieta desprezava e sequer dirigia a palavra a ela (apesar das ordens de sua mãe, pois isso a afastava do soberano). Depois de muita insistência ela trocou uma frase com a Madame, o que apaziguou um pouco as coisas.
                    Em 1774 o rei Luis XV faleceu, sendo coroado seu filho, passando a ser chamado Luis XVI. A antiga nobreza desprezava e criticava a nova rainha. Uma adolescente contrariada e com muita riqueza disponível era a receita perfeita para um desastre. Em 1775 conheceu Yolande de Polignac, a qual se tornou sua melhor amiga. Esbanjava em luxo e festas, talvez para se distrair de suas frustrações, ou por futilidade mesmo....
                 Ganhou de seu marido o palácio Petit Trianon, que se tornou seu pequeno refúgio. A França contudo vinha mergulhando gradativamente em dívidas, por sua participação em guerras e revoluções e por seus gastos desmedidos por parte de sua corte. Em 19 de dezembro de 1778, Maria Antonieta deu a luz a uma menina, Maria Teresa Carlota. Quando a restauração do Petit Trianon ficou pronta, a rainha se mudou para lá. Sua amizade com Yolande se tornou mais forte, e a rainha agraciava ela e sua família com grandes títulos e honrarias, o que gerou muita contrariedade.
                Em 22 de outubro de 1781, Maria Antonieta deu a luz a um menino, o futuro herdeiro, Luis José. Sendo manipulada por muitos, sua família a convenceu a tentar apoio junto ao rei para os interesses austríacos, na partição do Império Otomano. Em sua aproximação ao rei, ela engravidou novamente, mas sofreu um aborto, que a levou a uma fase de grande depressão. Nesse período a duquesa de Polignac conseguiu com que a rainha nomeasse para o cargo de controlador- geral de finanças Charles Alexandre de Callone, que com sua incompetência acabou por afundar a França. Em 25 de março de 1785 nasceu o terceiro filho, Luis Carlos.
                O rei caiu em uma profunda depressão, e Maria Antonieta se viu obrigada a tratar dos assuntos de Estado, e ao contrário do que pensavam seus críticos, sua política foi totalmente voltada para a França, deixando a Áustria de lado. O novo ministro das finanças, Loménie de Brienne a aconselhou a fazer grandes cortes nas despesas, o que não melhorou sua popularidade, mas afastou "seus amigos". A popularidade do casal real decaia cada vez mais, e o Duque de Orleans, primo do rei começou a instigar a população contra eles também. E para piorar o filho mais velho dos reis contraiu tuberculose, o que o levou a morte em 04 de junho de 1789. Em junho e julho do mesmo ano a situação começou a sair do controle, quando a Assembleia Nacional passou a exigir mais direitos que o rei tentava frear e reprimir o poder do Terceiro Estado. Em 14 de julho houve a tomada da Bastilha (que se tornou o símbolo da Revolução Francesa). Em 06 de outubro a família real foi alojada no Palácio de Tulherias e mantida sob vigilância. Em 1791, o casal real tentou fugir para a Áustria, mas foram presos e levados de volta a Paris. A rainha foi julgada e condenada a guilhotina em praça pública. Foi executada em 16 de outubro de 1793. É atribuída a ela a frase "se não tem pão, que comam brioches", quando o povo faminto clamava por comida, nunca tendo sido confirmada tal citação. Foi feito um filme sobre sua vida em 2006 pela diretora Sofia Coppola e protagonizado por Kirsten Dunst. Com certeza uma figura controversa, uma menina brincando de rainha de uma das maiores nações de sua época, mas que marcou seu nome na história.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Dica de Filme: Garota Exemplar

                                           Ficha Técnica:

Título Original: Gone Girl
Ano: 2014
Direção: David Fincher
Gênero: Suspense
Elenco: Rosamund Pike, Ben Affleck, Neil Patrick Harris, Carrie Coon

                   Quando dizem o ditado "a grama do vizinho sempre parece mais verde", logo me vem esse filme à mente. O que aos olhos dos outros pode parecer algo tão perfeito, se olharmos através de um microscópio, vemos as grandes falhas... A história, baseada no livro de Gillian Flynn, começa com Nick Dunne voltando para casa no dia de seu quinto aniversário de casamento e descobre então que sua esposa Amy desapareceu. A mídia então começa a especular, e muitas coisas vem a tona, mostrando um casal "não tão perfeito".
                     A hipótese levantada depois de um tempo sem notícias é que Amy está morta, e Nick passa a ser o principal suspeito, por seu comportamento frio e as descobertas de suas rachaduras em seu casamento. A história é cheia de reviravoltas e com muitos flashbacks. É um suspense de qualidade, mas que traz muitas reflexões sobre nossas próprias vidas também.
                    Os romances de contos de fada realmente caem por terra neste filme. E a fora como é mostrada a complexidade do comportamento e sentimentos humanos é sublime. Infelizmente não dá para descrever muito, senão estragamos a história.
                     É um filme realmente surpreendente, e acredito que quem assistir não irá se arrepender. Ben Affleck interpreta muito bem o marido que vive uma crise de idade (crescer não é fácil gente) que traz grandes consequências para seu casamento. E Rosamund Pike é excelente como Amy, em suas várias faces....

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Anjos de Quatro Patas: Yorkshire Terrier

                  Os cães são conhecidos como grandes amigos dos seres humanos, mas claro cada um tem suas características próprias, mas todos são fofos à sua maneira. Hoje vou tratar um pouco sobre a raça dos Yorkshire Terriers. Sempre fui apaixonada pela raça e hoje tenho um. E depois que você tem um, descobre que não sabe como conseguiu viver tanto tempo longe desse peludo tão adorável!
                    No início esses cãezinhos eram utilizados como caçadores de ratos e outros pequenos animais. Ele tem uma natureza agitada e curiosa. E é muito inteligente e sensitivo. É um cão sociável com as pessoas de seu convívio, e extremamente apegado ao seu tutor (em casa, perdi para meu pai! Mas faz parte rsrs). Desconfiadíssimo com estranhos, e se você procura um cão tranquilo e que faça pouco barulho, então este não é seu cão. Ele não aceita ser ignorado, se você bancar o cego, ele vai fazer você ouvi-lo com certeza!!
                   Mas com certeza, a casa nunca mais vai ser a mesma depois que um cãozinho dessa raça for morar nela. É muita fofura em um ser tão pequeno. Não é indicado para casas com crianças muito pequenas, porque apesar de toda a energia, seu corpo é frágil. Não costuma ter doenças genéticas, mas é necessário um cuidado contínuo com os pelos e um pouco de atenção aos ouvidos.

                      Apesar de ser mãe coruja de um yorkie, também devemos destacar seus defeitos. É um cão genioso (o dia que não quiser brincar com você, não vai mesmo), teimoso, e um pouco difícil de reconhecer autoridade (e você terá problemas para dar as broncas necessárias quando olhar para essa carinha!). E não é um cão que gosta de solidão. Mas quando ele vem em sua direção fazendo "festa" só porque te viu, ah os defeitos vão para o espaço!!


Boy Magia da Semana: Dylan Mcdermott

                  O Boy Magia da semana na verdade já é um senhor magia! (E bota magia nisso!) Pasmem, ele tem cinquenta e seis anos! (é igual vinho, cada dia muito melhor) Mark Anthony Mcdermott nasceu em 26/10/1961, em Waterbury, Conecticutt, nos Estados Unidos. Começou sua carreira no final dos anos 80. Foi incentivado a entrar nesta carreira pela terceira esposa de seu pai, a escritora autora de Monólogos da Vagina.
                Participou de vários filmes e séries, ganhou um Globo de Ouro em 1998, como Melhor Ator em Série de Televisão- Drama, como Bobby Donnell, na série The Practice.  O primeiro sucesso que estrelou na telona foi Flores de Aço, em 1989.  O filme tem Sally Field e Julia Roberts no elenco.
                Teve participações em séries famosas como Ally McBeal e Will and Grace. Chegou a estrelar a série Big Shots, que contava a história de 04 empresários competitivos de Nova York, a série teve apenas uma temporada. No cinema participou também de sucessos como O Júri e Crimes em Wonderland de 2003.
              Também co-estrelou as duas primeiras temporadas da série de sucesso American Horror Story. Na primeira temporada, Murder House, é o psiquiatra Ben Harmon, que depois de ser pego traindo a esposa, se muda para Los Angeles (se este lindo fosse meu marido, colocava um GPS!), para uma mansão que tudo o que tem de bela tem também de sinistro.... Na segunda temporada Asylum é Johnny Morgan, um personagem recorrente.
                  Em 2012, trabalhou no longa As Vantagens de Ser Invisível, onde interpreta o pai de  do jovem Charlie, um adolescente introvertido tentando lidar com a perda de um grande amigo que cometeu suicídio, interpretado pelo ator Logan Lerman. Em 2013 deu vida ao agente Forbes, no longa de ação Invasão a Casa Branca.
                 Ainda em 2013 foi um dos protagonistas da série Hostages, que trazia uma conspiração para assassinar o presidente dos Estados Unidos. E em 2014 atuou na série Stalker, como o detetive Jack Larsen. Infelizmente as duas só tiveram uma temporada (gostei muito das duas, uma pena). Seus últimos sucessos foram os longas Perseguindo Abott, com Pierce Brosnam e o romance Um Novo Olhar que deve estrear este ano ainda. Em 2018 virá com a série L.A. to Vegas. Que venham muitos trabalhos ainda, porque além de mandar muito bem sem camisa, ainda manda muito bem com ator. Sucesso sempre! Até o próximo Boy Magia! Kisses!!