sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Personalidade Histórica: Getúlio Vargas

                 Uma personalidade histórica muito importante na história brasileira. E que sempre gerou muitas controvérsias. Vilão para uns, herói para outros. Mas sem dúvida um homem que mudou a cena da política e economia do nosso país: Getúlio Vargas.
                  Getúlio Donelles Vargas nasceu em 19/04/1882, em São Borja, no Rio Grande do Sul. Era filho de estancieiros. Quando jovem achou que sua vocação estava nas glórias do exército e se alistou aos dezesseis anos. Mas aquilo não era para ele e seu gênio forte. Se matriculou então para cursar direito. Se formou em 1907, e trabalhou como promotor público no fórum de Porto Alegre, mas resolveu exercer advocacia em sua terra natal.
                  Era sem dúvida um excelente orador, o que provavelmente contribuiu para seu ingresso na política. Foi muito influenciado pelo positivismo. Em 1909 foi eleito deputado estadual, se reelegendo em 1913, e entre 1922 e 1926 ocupou uma cadeira na câmara federal. Em 1911 se casou com Darcy Lima, com a qual teve cinco filhos.
                    Em 1926, foi nomeado ministro da fazenda pelo então presidente Washington Luis. Ele abandonou o cargo em 1928 para ser governador do Rio Grande do Sul. Criou o Banco do Estado do Rio Grande do Sul e apoiou a criação da VARIG. Se candidatou então a presidência, em 1930, pelo Partido da Aliança Liberal, sendo ele um de seus fundadores. Ele pregava em sua campanha o fim da corrupção, o voto secreto e o voto para as mulheres.
                   Perdeu as eleições para o paulista Julio Prestes, o qual foi apoiado pelo então presidente, rompendo assim também o acordo da política "café com leite", que alternava o poder entre candidatos de São Paulo e Minas Gerais. O resultado das eleições não foram bem aceitos, houve muita tensão e conflitos, e o estopim foi o assassinato de João Pessoa, que era candidato a vice de Getúlio. Deu-se então a Revolução de 1930, que depôs Julio Prestes e levou Getúlio à presidência.
                   Uma vez no poder, deu continuidade a Política de Valorização do Café, e criou o Conselho Nacional do Café e o Instituto do Cacau. Centralizou o poder e criou novos ministérios como o do Trabalho e da Educação e Saúde. Em 1931, derrubou a Constituição Brasileira. A nomeação de interventores nos estados, ao invés de governadores também causou grande desagrado, principalmente no estado de São Paulo.
                     A população paulista então começou a se preparar para uma luta armada, e quando em 1932 quatro estudantes foram assassinados (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo), a sociedade passou a dar muito mais apoio a causa constitucional. Em 09 de jilho do mesmo ano, a revolução eclodiu pelo estado. Getúlio conseguiu sufocar a revolta, mas acabou atendendo algumas reivindicações do movimento e aprovou a Constituição de 1934.
                    Durante o governo constitucionalista, duas correntes políticas se destacaram: a Ação Integralista Brasileira (AIB), que defendia o corporativismo, e tinha um pé no fascismo e a Aliança Nacional Libertadora (ANL), de esquerda, patrocinada pelo regime comunista da então União Soviética. Getúlio sempre se mostrou contrário ao comunismo. Em 1935 a ANL montou a Intentona Comunista, uma revolta atrapalhada, liderada por Luís Carlos Prestes, que foi facilmente derrotada pelo governo. Com isso Getúlio e o alto comando das Forças Armadas conseguiram usar a ameaça comunista, baseada no "Plano Cohen", onde se dizia que os comunistas planejavam uma revolta muito maior e melhor organizada que a de 1935, e com total apoio da União Soviética. Getúlio então consegue o apoio popular, derruba novamente a Constituição e dá início ao Estado Novo.
                       Com o Estado Novo, ele centraliza mais ainda o poder. Os prefeitos eram escolhidos pelos governadores, que eram escolhidos pelo presidente. Fechou o Congresso Nacional e criou o Tribunal de Segurança Nacional. Criou também o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), que tinha como principal função exaltar a imagem do presidente como "pai dos pobres". Durante esse período ocorreu a Segunda Guerra Mundial, e Getúlio pretendia manter o país neutro, masmo com indícios de vários navios brasileiros terem sido afundados por submarinos alemães. Os Estados Unidos então fizeram pressão e o Brasil então se uniu aos aliados. Foi assinado neste período o Tratado de Washington, onde o Brasil deveria produzir 45 mil toneladas de látex para as forças aliadas, dando força novamente ao ciclo da borracha no norte e nordeste. O Brasil enviou cerca de 25 mil homens da Força Expedicionária Brasileira (FEB) em 1944 para ajudar na libertação da Itália.
                      Com a Segunda Guerra terminando e os governos ditatoriais sendo derrubados, a pressão por aqui pela redemocratização não foi diferente. Getúlio então se viu forçado a conceder anistia aos presos políticos, permitir a liberdade de organização partidária, convocar uma nova Assembléia Nacional Constituinte e marcar novas eleições. Até houve um apoio ao presidente, um movimento que ficou conhecido como Queremismo, mas não foi suficiente e ele foi deposto em 29 de outubro de 1945.
                      Apesar da centralização do poder, foi neste período que o país teve um grande crescimento e um aparelhamento do estado. Foi criado o Ministério da Aeronáutica, o Conselho Nacional do Petróleo (que em 1953 daria origem a Petrobrás), a Companhia Siderúrgica Nacional, a Vale do Rio Doce, a Hidrelétrica de São Francisco. Foram publicados o Código Penal, o Código de Processo Penal e a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Foi o responsável pela criação da Carteira de Trabalho, o descanso remunerado, o salário mínimo.
                      Em 1950 concorreu a presidência novamente, agora pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), e venceu! Nesse mandato (o primeiro democraticamente eleito) criou a Petrobrás e BNDE (atual BNDES), também deu início a construção da Rodovia Fernão Dias. Porém foi um período de muitas polêmicas, denúncias de corrupção, e uma oposição ferrenha encabeçada pelo jornalista Carlos Lacerda, o qual escapou de um atentado em 05 de agosto de 1954, que foi atribuído a dois membros da guarda de Getúlio (nunca ficou provado se o presidente tinha conhecimento ou não do fato antes de ocorrer). Após esse ocorrido houve grande pressão para que ele renunciasse, inclusive com o Manifesto dos Generais, de 22 de agosto de 1954, assinado por 19 generais do exército. Após sua última reunião ministerial em 23 de agosto de 1954, Getúlio concordou em se licenciar da presidência. Na madrugada do dia 24 comete suicídio, com um tiro no coração. Deixou uma carta testamento, que só foi divulgada por sua filha Alzira em 1967.
                  Existem muitas obras que o retratam como o livro Agosto, de Rubem Fonseca, Getúlio, de Lira Neto, existe uma versão bem diferente, espírita, Getúlio Vargas Em Dois Mundos, de Wanda A. Canutti, o Guia Politicamente Incorreto dos Presidentes da Repúlica, de Paulo Schimdt também tem um capítulo dedicado a ele. Também encontramos o filme Getúlio, dirigido por João Jardim e que traz Tony Ramos no papel principal.
                 Controverso ou não, com certeza foi uma figura decisiva em nossa história. E seu nome ecoará na eternidade....

4 comentários:

  1. foi o único e o melhor presidente queo brasil jamais teve,o brasil saiu de uma economia agrária para uma industrial. td isso porque não tinha o congresso lixo pra atrapalhar, hoje, se o brasil quiser se desenvolver , terá que fechar o congresso, as assembléias legislativas, as camaras municipais, e nomear interventores nos estadose municipios.

    ResponderExcluir
  2. Realmente é difícil acreditar nesses candidatos que temos para escolher!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Naquela época, nunca um Presidente cometeria o suicídio de pijama. Muitos acreditaram que o Getúlio foi assassinato.

    ResponderExcluir